quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Guerra nas Estrelas - O Resumo da Ópera




Guerra nas Estrelas é antes de tudo um romance. A tecnologia mostrada em veículos incríveis e equipamentos e armamentos definem uma ambientação distinta e complexa. A pluralidade de alienígenas, planetas e culturas acrescentam camadas e leituras que estão a serviço da proposta de ambientação. Para muitos a obra é categorizada como Fantasia Científica, pois a ciência é um elemento de figuração ante o drama, ante os conflitos interiores e exteriores dos personagens.

A saga foi concebida pelo Diretor e Produtor George Lucas em substituição a uma mal lograda revitalização de Flash Gordon. Após uma tentativa frustrada de conseguir os direitos para a produção de um longa metragem com o herói dos quadrinhos de Alex Raymond, Lucas optou por criar sua própria trama.

Hoje em dia a Teoria do Monomito (ou a Jornada do Herói), de Joseph Campbell é explorada à exaustão por uma miríade de escritores, lembrando que este recurso não garante êxito no resultado. Citar ou referenciar Campbell tornou-se em muitos casos um mero artifício de venda. Usado (e abusado) como fórmula para produções cinematográficas, a Jornada do Herói é fruto do estudo, catalogação e comparação de mitos de diversas culturas que levaram Joseph Campbell à conclusão de que todos esses mitos possuíam uma estrutura comum (veja os infográficos).







George Lucas estruturou a história de Luke Skywalker nesta jornada, favorecendo a criação de personagens interessantes que ganharam ainda mais carisma graças a seus intérpretes. Há entre os fãs a crença de que a Guerra nas Estrelas teria sido concebida em 9 (alguns dizem 10) episódios, os mais céticos ainda duvidam disto, embora a quantidade de notas para criar algo desta complexidade seja imensa. O fato é que o filme (de 1977) inicialmente chamado apenas de Star Wars, recebeu (em 1981) o subtítulo de Episódio IV - Uma nova Esperança. Com seu sucesso surgiram as sequencias, games, animações e milhares de produtos licenciados. 


A trama os iniciados já conhecem, mas antes de chegar em seu formato final, vários tratamentos foram dados à história. Numa primeira versão o protagonista era o samurai espacial Mace Windy, que detinha o título de Jedi-bendu. Sua história seria narrada por seu aprendiz C.J. Thorpe ou C.2.Thorpe apelidado de Chuie (cuja pronuncia em inglês é Chewy). Nesta versão aparecia uma ordem galática muito antiga chamada Whills, que inicialmente seria um personagem mas tornou-se um conceito mais amplo, as notas, frases, descrições e citações narradas por meio do Whills acabaram constituindo um guia para o próprio Lucas: O Diário de Whills (Journal of the Whills).



Como qualquer escritor iniciante de ficção, George Lucas recheou sua trama de nomes esquisitos e referencias obscuras, sem noção de qual teria relevância no futuro ou no passado da história. E assim começava a construção da saga. O rascunho de roteiro em 1973 era apresentado assim: "Diário de Whills - Parte I: Esta é a história de Mace Windy um reverenciado Jedi-bendu de Ophuchi, narrada a nós por C. J. Thorpe, aprendiz padawan do famoso Jedi."

Uma versão mais completa e organizada do roteiro apresentava as aventuras de Annikin Starkiller, treinado pelo general Luke Kywalker com ajuda do alienígena verde Han Solo contra o Imperador Cos Dashit e seu braço direito o implacável e sanguinário Darth Vader. Esta versão que instigava a curiosidade dos fãs já há muito tempo tornou-se uma mini-série de quadrinhos escrita por J.W. Rinzler e arte de Mike Mayhem.

Após muitos games de sucesso, animações e uma trilogia contando o passado da família Skywalker,  2015 marca a chegada de uma nova produção cinematográfica: STAR WARS - O Despertar da Força, cujos fatos se passam 30 anós após os fatos mostrados no Retorno de Jedi.

Em 2012 George Lucas vendeu sua empresa (Lucas Film) junto com Star Wars e outras criações suas para a Walt Disney Company repassando a eles a sinopse dos capítulos 7, 8 e 9 da saga da família Skywalker. A primeira ação do diretor e produtor encarregado pelo projeto foi ignorar o material de Lucas. Após alguns problemas com Jornada nas Estrelas, JJ Abrams deu o seguinte depoimento: "Eu não quero fazer um filme onde a gente não saiba realmente, qual é a nossa história. Eu sinto que fiz isso muitas vezes na minha carreira". É compreensível que o Diretor faça uso de prerrogativas necessárias para contar a história que foi contratado para contar, embora ignorar as sinopses do homem que criou a Lenda Star Wars possa não parecer sensato.


Em depoimento ao CBS THIS MORNING (link pro vídeo no fim da matéria) George Lucas afirmou que a Disney quer contar suas próprias histórias e não pretendem usar o material que ele escreveu. (Nota do Editor: Lembre-se tudo munda no mundo o tempo todo. Ninguém garante que não irão resgatar essas sinopses após JJ Abrams sair de moda).

Para dezembro de 2016 está programada a estréia de Star Wars: Rogue One. Uma história derivada que mostra acontecimentos imediatamente anteriores aos vistos no filme de 77. Na trama um grupo de rebeldes se organizam para enfrentar a tirania do império roubando os planos de criação de sua arma mais letal. O filme dirigido por Gareth Edwards ( Godzila, 2014) tem no elenco:  Felicity Jones, Diego Luna, Forest Whitaker, Ben Mendelsohn, Alan Tudyk, Mads Mikkelsen e Donnie Yen. Há planos de mais produções explorando o universo de Guerra nas Estrelas além de novos quadrinhos, livros, games e animações. Há informações de que o plano é um filme do universo de Star Wars por ano.


As Guerras são responsáveis por revelar o que há de melhor e pior no ser humano. Elas levam o espírito humano a testes e provações de caráter definitivos, para um escritor este cenário favorece o drama num nível de intensidade elevado e, nas mãos de George Lucas, contribuiu para um pano de fundo repleto de movimentos, idas, vindas e revelações. As Guerras são responsáveis por traumas irrecuperáveis e prejuízos sociais, materiais e não-materiais, mas na ficção, onde é garantido um certo nível de segurança e conforto ao expectador, podem resultar em bons momentos de diversão e, porque não dizer de experiências e aprendizados. A produção de um filme no nível de Star Wars possui uma estrutura e uma organização comparáveis às do exército e, quer provoque amor ou ódio, é difícil ignorar algo deste porte tão entranhado na cultura e no comportamento contemporâneos.

Que a força esteja com você.




Para saber mais:
O Monomito de Joseph Campbell (sintese)
O Poder do Mito (Entrevista onde Campbell apresenta logamente e detalhadamente a Teoria da Jornada do Herói. Vídeo em 6 partes, o link é para a parte 1).
O site Oficial de Star Wars
Concept Arts de Ralph McQuire para a Guerra nas Estrelas original
George Lucas no CBS THIS MORNING (19/nov/2015)
Quadrinho da Dark Horse adapta primeira versão de roteiro de Star Wars
Livro: Como Star Wars conquistou o Universo. Chris Taylor. Editora Aleph


http://laboratorioespacial.blogspot.com.br/2015/11/a-guerra-de-cada-um.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário